MP intervém em escolas que se negam a aceitar crianças com deficiência

O período de matrículas escolares precisa de atenção especial principalmente dos pais de alunos com deficiência, isso porque algumas escolas particulares de Teresina se negam a aceitar essas crianças e alegam não haver estrutura na escola, iniciando assim a intervenção do Ministério Público Estadual para a resolução do impasse.

Somente neste ano, três foram os casos de escolas que se negaram a realizar a matrícula de alunos com algum tipo de deficiência. Dois casos aconteceram ainda em novembro, os pais dos alunos procuraram a promotora Myrian Lago (foto) para intervir junto aos colégios.

"Existe aquela dificuldade quando a criança não é tida como normal. Infelizmente acontece muito em Teresina. A ação do Ministério Público é tentar mostrar a escola que a criança tem que ser matriculada e a escola tem que oferecer o aparato especializado para atender as necessidades delas", explicou Myrian Lago.

A lei em vigor desde 2007 afirma que crianças deficientes devem frequentar colégios normais, ou seja, estudar com alunos que não possuem deficiência. De acordo com a promotora, crianças não possuem preconceito, “isso quem tem são os adultos, por isso a importância da criança frequentar a escola com outras crianças ditas normais desde pequenas”.

3.653 deficientes com capacidade laboral têm carteira assinada

 

Cerca de 30% dos portadores de deficiência em condições de trabalhar na região estão empregados. Um levantamento da Delegacia Regional do Trabalho em Sorocaba - órgão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) que engloba 42 municípios - mostra que das 12 mil pessoas com deficiência (PCDs) com capacidade laboral da região, 3.653 trabalham com carteira assinada.

O delegado regional do Trabalho, Vitório Cattai, lembra que há onze anos, quando a fiscalização começou a ser feita pelo MTE, a região contava com menos de cem trabalhadores PCD com registro na Carteira Profissional. Cattai explica que as empresas com mais de cem funcionários são obrigadas a cumprir a chamada lei da cota, que completou 20 anos em julho.

brasmarketing

 

angela

Engana-se quem pensa que um deficiente visual não pode usar o computador ou mexer em uma tela touchscreen, sensível ao toque. Pelo contrário, a tecnologia facilita a essas pessoas escreverem, lerem livros e até assistirem a filmes. Atualmente, diversos softwares — conhecidos como leitores de tela — transformam em áudio todo o conteúdo escrito na tela.

O professor de retórica Victor Caparica, de 30 anos, que perdeu a visão aos 22 anos em um acidente, faz uso dessas tecnologias. Ele considera o iPhone como uma espécie de “renascença para os cegos”. “A quantidade de acessibilidade que ele trouxe ajudou muito a gente. Para o deficiente visual, existem diversas opções”, conta. A habilidade com o teclado adquirida antes de perder a visão facilitou sua adaptação e, sendo fã de tecnologia, ele rapidamente se acostumou aos leitores de tela e hoje consegue montar slides, estudar, escrever, ler livros, assistir a filmes e, claro, participar das redes sociais.

“Existem diversos aplicativos feitos para os cegos e, hoje em dia, é muito mais fácil para nós usarmos a internet”, explica. Os leitores de tela leem todo o conteúdo escrito na página e os comandos são usados somente pelo teclado, excluindo por definitivo o mouse. Cada voz é diferente e a velocidade é regulável. “Depois que a pessoa se habitua, ela vai entendendo cada vez mais rápido o som e pode ir deixando a voz mais rápida. Uma hora, a gente se irrita e vai aumentando a velocidade para facilitar”, ressalta.

Mesmo na tela touchscreen, Caparica consegue saber onde os ícones estão. “A gente consegue visualizar o ambiente dentro da nossa cabeça e temos noção de espaço. Na internet não é diferente, eu crio um espaço virtual na minha mente e consigo navegar só pelo comando de voz normalmente”, confirma.

Sites sem acessibilidade

Apesar das inovações, ainda existem alguns problemas. Nem todos os sites são facilmente ‘traduzidos’ para o áudio, devido ao grande de número de imagens e também outros plug-ins que não podem ser lidos. Como, por exemplo, a confirmação de identidade, onde o internauta deve digitar os caracteres que aparecem na tela. “Apesar de existir a opção de você ouvir as letras para depois digitar, o sistema não funciona e não é usual, sou obrigado a mudar de site ou pedir ajuda de alguém”, diz Victor Caparica.

Empresa que mais evoluiu foi Apple

Os leitores de tela são compatíveis com diversas plataformas. No caso do Linux, o leitor é o Orca e vem integrado ao sistema. No Windows, existem opções variadas, porém, a maioria delas é paga. Um exemplo de leitor gratuito é o NVDA (NonVisual Desktop Access ou Acesso Não Visual ao Ambiente de Trabalho). A empresa que mais evoluiu na tecnologia assistiva é a Apple, com o sistema VoiceOver integrado, seja nos IOS (celulares, tablets e tocador de música) ou no Mac OS.

Livros, filmes, jogos e redes sociais

Para ler livros, Caparica baixa e-books em extensões .pdf ou .doc, do Word, e o leitor de telas lê o livro. “Eu deito e fico ouvindo sossegado, coloco a voz em uma velocidade rápida e consigo ler de cem a 200 páginas por dia”, explica. E para assistir a filmes, é até mais simples, tanto no notebook quanto no cinema.

“Só pelas falas e o som ambiente, a gente consegue entender o filme, com exceções das cenas de clipes, ou seja, eles tiram o som ambiente e colocam uma música, aí a gente precisa que alguém nos explique ou que tenha a audiolegenda adequada”, explica.

E quando o filme é legendado, apesar de ser fluente em inglês, ele tem a opção de colocar o leitor de telas, que lê as legendas. Caparica é fã do Twitter e usa a versão mobile e também no computador, com o Qwitter Blind Accessibility, que lê os tweets para ele. “Mesmo se eu voltasse a enxergar, eu continuaria usando esse aplicativo, ele é fantástico”, brinca ele.

O Qwitter não cria nenhuma página na tela, então, o internauta pode navegar e simplesmente usar os comandos do teclado para twittar, ler a timeline e até checar as mensagens. “Depois de um tempo, a gente aprende a identificar somente pelo áudio”, completa.

Fonte: http://www.jornalacidade.com.br/

Conectar

Entrar com a conta do Facebook
Topo